Minhas boas leituras de 2020

Este ano de 2020 é um dos raros que poderemos dizer no futuro que jamais esqueceremos, né? Do ponto de vista literário foi um ano bastante rico pra mim devido ao isolamento que, naturalmente influenciou profundamente minhas leituras: posso dizer com segurança que fui a fundo em assuntos que jamais imaginei, li autores que me surpreenderam e, ao final, terminei com um saldo bem positivo nesta área (algo de bom teria de sair deste período, né?).

Este post se divide nas minhas leituras técnicas e não técnicas. O primeiro grupo está diretamente relacionado ao que faço profissionalmente (desenvolvimento) e o segundo não (mas exerceu forte influência).

Agora, sabe o que fica mais nítido pra mim? Do ponto de vista profissional quem realmente tem me agregado são as leituras não técnicas. Afinal de contas o ofício de programar é transportar para o digital aquilo que existe no mundo analógico. Quanto mais entendo a cultura alheia mais pontos adquiro e tudo fica muito mais fácil.

(e os melhores profissionais que conheço também leem muito mais coisas não técnicas que técnicas)

Leituras técnicas

Este foi um ano no qual me aprofundei bastante em tecnologias que me interessavam e aos nossos clientes também. Sendo assim foi aplicado extensivamente o meu método de aprendizagem (leia aqui) este ano. A consequência é que não li muitos livros técnicos, mas sim fontes primárias. Vou dividi-las aqui portanto por contextos.

Mundo Java

Mundo Java

O ecossistema Java faz parte da minha vida desde 1996 e ao que tudo indica me acompanhará por toda esta década de 2020 também. Neste ano iniciei com força a pesquisa para a escrita do meu novo livro sobre Spring e tive uma grata surpresa: as documentações oficiais ainda são excelentes.

E quando digo que são excelentes digo do ponto de vista literário: você pode ler a documentação do Spring como se fosse um livro, de cabo a rabo e aprender horrores no processo. Ao ponto de me fazer pensar seriamente se realmente agregaria ao mercado escrever um novo livro sobre o assunto.

Sei que é estranho indicar “documentações”, mas neste caso estas aqui realmente me influenciaram bastante e foram lidas como livros.

Spring Boot

Passei boa parte do meu tempo lendo, relendo, anotando e experimentando o que encontrava na documentação do Spring Boot e, quer saber? Aprendi tanto lendo esta documentação que hoje recomendo mais que você leia ela a qualquer livro sobre o assunto hoje (incluindo o meu, que é sobre o Spring).

Isto gerou uma série de posts aqui no blog (que voltam na sequência a este). Sugiro que se você queira realmente aprender Spring Boot ler esta documentação como fiz: cabo a rabo. Segue o link.

Spring Cloud e micro serviços

Trabalhei este ano em um projeto legado baseado em Spring Cloud que estava um caos. A confusão era tamanha que me vi forçado a revisar tudo o que sabia sobre Spring Cloud, micro serviços, containers, etc. E foi uma experiência maravilhosa!

Por “revisar o que sabia” entenda: negar tudo o que eu conhecia sobre estes assuntos para ver se eu realmente estava certo (eu estava). Comecei lendo de cabo a rabo toda a documentação do Spring Cloud e sabem o que descobri? Se você fizer isto e no processo seguir as referências que há nela, em pouquíssimo tempo você terá uma visão bastante rica sobre o que é uma arquitetura cloud baseada em micro serviços.

Sendo assim pegue suas pré-concepções, guarde-as em uma caixinha e pacientemente leia esta documentação como se fosse um (bom) livro. Pegue o último release e apenas leia. Segue o link.

Twelve Factor App – Faça uma leitura crítica!

Sei que este texto é mais que batido, que todo mundo já leu e decorou, mas recomendo que você faça uma leitura crítica do mesmo. Para quem não conhece, este texto define 12 características que, em teoria, todas as aplicações cloud deveriam seguir na opinião dos autores.

Atenção ao último detalhe: na opinião dos autores. Isto não quer dizer que você deva seguir tudo o que está ali tal como escrito (apesar de serem bons conselhos). Fiz uma leitura bem crítica deste texto por duas semanas, o que com certeza me deu ainda mais segurança em relação a algumas das minhas convicções. Há pontos ali dos quais discordo e futuramente poderão gerar posts neste blog.

Recomendo que faça como fiz: a cada fator se questione se esta é mesmo uma boa diretriz. Realmente se aplica à sua realidade? Quais as dificuldades em adotar este modelo? Qual o ganho real? Como você aplicaria este ponto? Foi uma das leituras técnicas mais ricas do ano. E de graça, com tradução para o português que você pode ler aqui.

Mundo Python

File:Python-logo-notext.svg - Wikimedia Commons

Este ano dediquei boa parte do meu tempo ao estudo de Python. Inclusive escrevi meu plano de estudos com referências bibliográficas neste link para aqueles que também estejam começando. Aprendi horrores no caminho: inclusive reescrevi o crawler do /dev/All em Python e devo coloca-lo no ar em breve como projeto de aprendizado. Pude ver tudo o que há de bom e ruim neste ambiente de desenvolvimento, mas aqui você quer saber quais as leituras que mais me impressionaram, certo? Este post vêm mais tarde, prometo!

Use a cabeça: Python – Paul Barry

Tenho a impressão de que posso comprar os livros desta coleção de olhos fechados: nunca me decepcionaram! E não foi este o caso. A visão pragmática do texto é muito boa pra quem, como eu, já tem experiência de desenvolvimento e quer pegar o jeito das coisas (como o venv, por exemplo).

É um livro bom pra iniciantes também, pois é bem o abc da coisa.

Fluent Python – Luciano Ramalho

Fluent Python: Clear, Concise, and Effective Programming - Matt Blatt

Pelo que vi este livro já é clássico também. Tal como expus no meu plano de estudos sobre Python, não o indicaria pra quem está começando, mas sim pra quem quer ter um conhecimento profundo da linguagem. Aprendi muito com este livro e, se não me engano, tem tradução pro português.

Documentação do Python

Não indicaria pra quem está começando como texto introdutório pois tive bastante dificuldade com ela. A coisa só começou a andar mesmo depois que peguei o “Use a Cabeça: Python”, que me deu a base para que eu pudesse usar melhor esta documentação lá na frente.

Mundo Ruby on Rails

Este foi o ano em que resolvi voltar ao Ruby on Rails: escrevi sobre isto aqui inclusive. E está sendo uma experiência muito enriquecedora pra dizer o mínimo. Cheguei a publicar neste ano uma bibliografia comentada sobre o assunto, que você pode ler aqui. É interessante fazer algumas menções aqui.

Repensando a web com Rails – Fábio Akita

Este livro é bem antigo: comprei em 2006 (?) quando saiu e até hoje foi um dos que mais me influenciou. O Rails que ele trata já está ultrapassado, claro, mas a didática e especialmente o que o autor fala sobre SAP na época me marcaram muito ali. Não sei se há edições novas deste livro, então ele fica como uma menção histórica.

Ruby on Rails: coloque sua aplicação web nos trilhos – Vinícius B. Fuentes

Tenho sentimentos conflitantes em relação a este livro que, fui conferir, não consta mais no catálogo da Casa do Código. Isto por que essencialmente é um tutorial: então minha primeira impressão não foi boa, na realidade, foi bem ruim. Mas como sempre dou uma segunda chance e queria voltar ao Ruby on Rails, resolvi tentar de novo e… me ajudou bastante.

O livro não trata da última versão do Rails, mas se você o seguir com atenção consegue ter uma base legal pra poder se virar por conta própria. Sendo assim minha impressão final foi bem positiva e devo bastante a este material.

Mundo React

Faltava esta peça no meu cinto de utilidades: então por acaso caiu no nosso colo um projeto em React Native, que foi o incentivo que precisava. E assim começou o estudo do React que, naturalmente, descrevi aqui neste link. Tenho aqui apenas duas dicas de leitura pra quem está começando.

O que to achando do React hoje? Tá sendo meu framework favorito. :)

O que recomendo ler

A documentação oficial quase que de cabo a rabo. Você pode começar por este link. Mas recomendo que na realidade comece por este aqui: Pensando do jeito React.

O que não recomendo ler se estiver começando

O tutorial oficial, cujo link nem vou colocar aqui. Você irá repetir o código que lê como se fosse uma máquina de escrever e, ao final, não terá entendido os conceitos do framework.

Mundo Marketing

Este ano a itexto contratou sua primeira empresa de marketing e quis aprender o máximo possível sobre o assunto. Nisto topei com material bem legal que compartilho aqui com vocês. Observe: eu não sou especialista nisto, sendo assim leia por sua conta e risco, ok?

Meu objetivo era saber o suficiente sobre o assunto para poder conversar com este fornecedor, não me tornar um especialista no assunto.

Design de Logos: do conceito à apresentação – curso de Sagi Haviv

MA-RA-VI-LHO-SO! É o que posso dizer sobre este curso. Fui com todo o meu preconceito imaginando ser algo raso, vazio, fútil, cafona e saí absolutamente maravilhado. O Sagi Haviv é criador de diversos logotipos muito famosos, com o do Discovery Planet, por exemplo.

E o curso é exatamente o que propõe: você aprende o que é um logo, logotipo (são diferentes!), como tratar o conceitual do projeto, construção visual e, finalmente, apresentação pro cliente. E o modo como é ensinado… é maravilhoso. Pode comprar, neste link.

Sabe o que descobrimos neste curso? Que não precisávamos de um novo logo pra empresa: tínhamos um bom logotipo! E assim acabou minha carreira de design de logos que nem começou.

Inbound Marketing – Estratégias práticas para empresas e projetos – Adriélly Calil

Livro de Inbound Marketing

Outro bom livro da Casa do Código que você pode comprar neste link. Não é um livro profundo, mas foi muito importante pra nós pois nos deu um vocabulário mínimo pra que pudéssemos conversar com nosso fornecedor. É o básico do básico: livro curtinho, pra você ler numa sentada e a partir dali já buscar outros assuntos para se aprofundar. Recomendo como ponto de partida.

Leituras não técnicas

Foi um ano de muitas leituras políticas e literárias. Acredito que tenham sido de longe as leituras mais importantes pra mim neste período tenebroso que foi o ano de 2020. Conforme uma visão de mundo cada vez mais anti científica, rasa, tosca, burra e inconsequente ia se aproximando de mim achei que era importante estar bem preparado intelectualmente para lidar com estas situações.

Valeu à pena.

Leituras políticas e filosóficas

Rebelião das Massas – Ortega y Gasset

livro: Rebelião das Massas, A, de Gasset, Jose Ortega Y

Este livro do Ortega y Gasset trata da emergência do conceito de “homem massa”, que é essencialmente o indivíduo sem grandes diferenciais que passa a enfrentar aqueles que se especializaram em algum assunto. Resumindo: no contexto do Brasil atual é a emergência do argumento anti científico, acadêmico. Gravei dois vídeos sobre o assunto que você pode ver aqui.

Foi uma leitura muito importante no meio desta pandemia e me forneceu uma visão e argumentos contra toda esta conversa anti científica que foi muito importante pra mim.

Em Busca de um Mundo Melhor – Karl Popper

Comprei este livro por acidente: o que realmente queria era o “A Sociedade Aberta e seus Inimigos”, mas não sabia que era este o nome do livro e acabei com este. Devo confessar: tive preconceito inclusive em relação ao título, mas que feliz acidente! Trata-se de uma coletânea de palestras que o Popper fez ao longo dos anos tratando dos temas ciência, especialmente a questão da verificabilidade.

Em essência, este princípio diz que você não pode falar muito sobre o que não pode verificar, e te apresenta diversos exemplos ao longo das palestras em que este princípio se aplica. Nos tempos atuais é uma leitura realmente muito importante. E surpreendentemente leve, diga-se de passagem.

Como detalhe curioso, é impressionante, por que em quase todas as palestras ele está ganhando algum título honorário! :D

Tormenta – Thaís Oyama

Eis um livro que foi puro hype, muito criticado mas, tenho certeza, pouco lido de fato. Eu mesmo esperei ansiosamente por ele imaginando uma série de revelações bombásticas (o fofoqueiro interior) mas, mais importante: queria entender o que era o governo atual. Comprei assim que ficou disponível, foi minha primeira leitura do ano.

É um livro tedioso: essencialmente é a narrativa do que ocorreu no primeiro ano do governo, e apenas isto. Mas uma leitura que foi muito importante para mim, um ignorante com visão bastante enviesada sobre o assunto (agora sou ainda mais enviesado). Foram tantos ataques a este livro… e quando você o lê com atenção vê que não há ataques reais ao biroliro. Na realidade há apenas uma narrativa (bem fria) dos seus atos. Mas o que não saiu da minha cabeça é o último e profético parágrafo do livro:

No final do primeiro ano de mandato, os lábios de jair bolsonaro não tremiam mais, nem seus olhos se movimentavam nervosos de um lado para outro. Estavam fixos em 2022.

Thaís Oyama

Como as Democracias Morrem – Steven Levitsky e Daniel Ziblatt

Peguei este livro para ler pelo hype pois era muita gente falando a seu respeito: parecia ser o nascimento de um novo clássico da literatura política. Terminada a sua leitura tenho a impressão de que a esmagadora maioria das pessoas que falaram a respeito só leram o primeiro capítulo.

Digo isto por que neste primeiro capítulo são apresentadas quatro características comuns a governos autoritários que derrubaram a democracia em seus respectivos países. E adivinha: a maior parte das resenhas fala sobre… estes quatro atributos. Após este capítulo fica bem claro que os autores estão falando sobre o risco à democracia norte-americana sob a visão de autores norte-americanos em relação principalmente ao partido Republicano e o governo de Donald Trump. O foco é EUA, não o mundo, cujos casos são usados apenas como exemplos.

O que não tira os méritos do livro, pelo contrário: são apresentados diversos exemplos históricos por todo o mundo e ao final da leitura você vai conseguir entender por que a democracia norte-americana, tão estranha para nós, é do modo que é. Spoiler: faz muito sentido!

Voltando ao assunto, fica nítido que os “leitores” não passaram do primeiro capítulo por que não mencionam, por exemplo, que os autores defendem abertamente a presença de caciques políticos como defensores da democracia, ou o enviesamento absoluto em relação aos democratas (no capítulo final chegam a propor a reconstrução do partido republicano e manutenção do democrata). Nada disto vi sendo comentado.

Fundação FHC
É interessante observar QUEM trouxe o Steven Levitsky para palestrar sobre o livro no Brasil

Infelizmente é um livro que já está velho apesar de lançado em 2018. Deve ser lido como uma curiosidade histórica na minha opinião, e sua transposição pra realidade brasileira deve ser feita com muitas ressalvas. Até por que o Brasil é citado pouquíssimas vezes (3) e quando é, é rapidamente (Getúlio Vargas, comodamente sequer mencionam o golpe de 64). Mas é uma boa leitura, basta ver o tanto que escrevi sobre ele aqui.

Adendo de 7 de janeiro de 2021

Depois dos eventos de 6/1/2021 (o pessoal que invadiu o Capitólio dos EUA incentivados por Trump) retiro o que disse sobre este livro “já estar velho”.

A Elite do Atraso – Jessé Souza

Um livro profundo, agressivo e que te faz pensar a respeito dos próprios preconceitos. O autor faz essencialmente uma crítica à historiografia brasileira, especialmente em relação ao Sérgio Buarque de Holanda, mostrando como pensa a elite responsável por controlar a riqueza brasileira.

Naturalmente é uma escrita enviesada (todo livro é), mas se você tiver estômago e paciência (muita), te faz repensar até mesmo hábitos que tenha no dia a dia. Sou de origem burguesa e pude confirmar na leitura que diversos dos aspectos que o Jessé Souza trata no texto são reais e, não raro, estavam embrenhados na minha pessoa também. Me ajudou muito a ter uma visão mais crítica a respeito de mim mesmo, minha família e pessoas próximas.

Repito: é um livro agressivo (alguns autores são inclusive agredidos por Jessé Souza), pode ser até mesmo cansativo, mas uma bela leitura, e agrega bastante como pensamento crítico e é importante pros dias atuais.

Constituição República Federativa do Brasil

Constituição da República Federativa do Brasil: 56ª edição do Texto Constitucional por [Edições Câmara]

Chegou um momento em que ouvi tantas vezes frases como “o governo desrespeita a constituição” que percebi que, bem: eu não sabia nada sobre a Constituição! Então resolvi pegar o texto e ler.

E foi surpreendente! Primeiro por que é um texto bem legível, ao contrário do que meu preconceito gritava. E segundo por que finalmente me deu um entendimento sobre COMO as coisas funcionam (ou deveriam). E o mais interessante: é de graça, por que a gente não leu isto na escola???

Pra que a gente possa ter um embasamento político, esta é uma leitura importante, até pra gente parar de ficar especulando por aí. Entender o que cada papel desempenha, enfim: não lemos por desleixo mesmo.

Collor Presidente – Marco Antônio Villa

Dois presidentes influenciaram de forma negativa e direta minha vida: o atual e Collor. Então, no meio (será que estamos no meio?) da crise resolvi pesquisar a respeito do Collor pra ver se realmente foi tão ruim assim e tentar traçar paralelos com o governante atual. E nisto topei com este livro do Marco Antônio Villa.

(tentei ler o escrito pelo próprio Collor – “Relato para a História” – mas não consegui, é intragável, mas você pode baixar de graça aqui . Vou tentar ler novamente depois neste ano.)

Se você já viu o autor no YouTube deve ter notado seu “amor por adjetivos”: é até divertido, mas o autor deste livro é completamente diferente: é frio, preciso, minucioso. O livro é essencialmente uma narrativa detalhada de todo o governo Collor quase que dia a dia. Chega a ser chato, muito chato, absurdamente chato, dolorosamente chato. Mas ao mesmo tempo muito enriquecedor, o que manteve minha leitura.

Você sai com uma visão bem diferente deste governo. Aprende detalhes a seu respeito que chegam a ser surpreendentes como, por exemplo, a tentativa de se taxar grandes fortunas. Relembra como foi o plano Collor que confiscou as poupanças, enfim, há bastante conteúdo mas, ainda mais importante: é exposto um trabalho de pesquisa sensacional. A bibliografia já vale a leitura.

Podcasts

Alguns podcasts foram extremamente importantes para mim em 2020, não são livros, mas são sobre, então acho importante mencionar aqui.

Você encontra ambos facilmente na sua plataforma favorita. Recomendo demais!

Philosophize This!

Mantido por Stephen West, cada episódio é sobre um filósofo ou tema filosófico. São episódios leves, em inglês, que tratam os temas de uma forma muito bacana, especialmente se você não conhece o assunto e precisa de uma introdução.

Os episódios me ajudaram em diversos temas. Nietzsche, por exemplo, foi um deles: percebi que minha leitura sobre o autor estava bem equivocada! Aí tentei reler depois de vinte anos e acabei percebendo que realmente não curto muito. Então ouvir este podcast pode te poupar tempo! Link.

Philosophy Bites

Segue a mesma linha que o anterior, mas são episódios mais curtos e menos profundos, narrados por Nigel Warburton e David Edmonds. Aqui são tratados mais temas filosóficos que os autores em si. Sendo assim em cada episódio há um convidado (normalmente um acadêmico) que é entrevistado sobre o tema.

Dica: o Nigel Warburton tem uma história da filosofia muito interessante. Link aqui.

Literatura

O Enigma de Andrômeda – Michael Chrichton

Começo pela pior leitura literária do ano. Isto por que é ficção científica extrema: é tão científica que tem mais ciência que literatura. Quando você começar a ler já vai saber do final (não darei spoiler).

A história é interessante e de acordo com os tempos atuais: um vírus alienígena começa a infectar pessoas na Terra e um grupo de cientistas tem de resolver a situação. Pronto: você já pode inferir o final sem que eu precise dar spoilers. Então, se é a pior leitura literária do ano, por que to mencionando aqui? Por que a parte científica é bem legal!

Não sabia que o autor era formado em medicina: e neste livro isto fica bem nítido. Há capítulos, por exemplo tomados pela descrição minuciosa de procedimentos técnicos de análise biológica. Chega a ser chato (muito), mas do ponto de vista técnico, é bem legal. E são apresentadas algumas teorias sobre vida fora da Terra, vírus e outros temas biológicos que são também muito interessantes.

Termina o livro e você pensa: quanto papo furado! E de repente você é saudado por uma bibliografia IMENSA que mostra de onde vieram todas as teorias. Não sei se o objetivo do autor era ser mais científico que literário, mas se foi, sucesso absoluto!

O Ovo de Cristal – H. G. Wells

O Ovo de Cristal por [H. G. Wells, Rodrigo Moncks]

Tá de graça no Kindle, pega : foi por isto que li inclusive. É um conto fascinante sobre a história de um “estranho artefato” que permitia a comunicação com seres de outros planetas. A descrição dos alienígenas e sua civilização é muito interessante e me marcou bastante, por isto recomendo a leitura.

Como mencionei, é um conto, bem pequeno inclusive, você lê em uma sentada.

O Chamado de Chtulu e outros contos – H.P. Lovecraft

O chamado de Cthulhu e outros contos por [H.P. Lovecraft, Alexandre Boide]

Depois de muitos anos ouvindo falar de Lovecraft e Cthulhu resolvi conferir. O problema é que o hype era tão grande, mas tão grande, mas tão grande, que quando finalmente fui ler confesso que fiquei decepcionado. Não que seja ruim, pelo contrário, é muito interessante, mas por ter esperado o infinito de algo finito. (disponível no Kindle Unlimited)

Li o famigerado Chamado de Cthulhu: é muito impressionante se a gente levar em consideração o tema e a época que foi escrito (visionário?). Toda a estética é muito interessante. Não li só o livro que mencionei, li várias outras coletâneas, mas sabe qual conto eu REALMENTE gostei? “A Cidade sem Nome”. Este achei fenomenal.

Além de ter detectado alguns aspectos racistas no autor (eu sei que é decorrente do contexto histórico), o que me decepcionou foi sem sombra de dúvidas o fato de ter lido muito o Jorge Luis Borges, este sim um autor de literatura fantástica daqui, da América Latina, e, na minha opinião, muito superior.

Então ler Lovecraft pra mim foi meio como dirigir um Fiat 147 após anos dirigindo uma Ferrari. Por favor, não fique triste comigo: esta é apenas minha sensação pessoal sobre o autor (que ainda acho muito bom!).

Por falar em Borges…

Se falei do Jorge Luis Borges é importante que eu ao menos te indique alguns livros dele, né? Então vou indicar dois, ambos contendo contos de literatura fantástica: O Aleph e Ficções.

O Aleph
Ficções

Mas quer saber de uma coisa? O Jorge Luis Borges era fã do Lovecraft! Tanto é que ele tem um conto chamado “There are More Things” que é uma homenagem a ele. Encontrei inclusive recentemente um artigo acadêmico sobre o assunto aqui.

Aí neste momento vi que eu não estava “dirigindo um Fiat 147” ao ler Lovecraft, mas sim o primeiro modelo da Ferrari!

Blade Runner – Phillip K. Dick

Blade Runner por [Philip K. Dick]

Se você já viu os filmes recomendo que leia o livro. Tá inclusive disponível no Kindle Unlimited, que foi onde li. É muito interessante mesmo: especialmente por que você não vai ter a impressão de estar “lendo o filme”, mas sim de ter diante de si um complemento.

Diversos aspectos que não estão nos filmes estão no livro, e após tê-lo lido, assistir os filmes de novo adquire toda uma nova riqueza de detalhes. Bela leitura! Espero ler mais livros do Philip K Dick no futuro (o próximo da lista é o “Electric Dreams”).

Overdose de Dostoiévski

Box Grandes Obras de Dostoiévski por [Fiódor Dostoiévski]

Encontrei no Kindle um livro chamado “Box Grandes Obras de Dostoiévski” por um preço bem baixo. Já tinha a obra completa, mas física: e pra ler na cama não é tão legal quanto no Kindle. Então comprei e resolvi tentar terminar de novo “Os Irmãos Karamazov” e “Crime e Castigo”. De novo eu quase consegui e termino daqui a pouco. Não sei se estas traduções são boas: comprei pela mera comodidade mesmo.

O que posso dizer: não muito além do óbvio. Dostoiévski é o cara. Em ambos os clássicos (tem bem mais neste box aí) você vê uma descrição da natureza humana que é incrível. E em “Crime e Castigo” há algo que acho ainda mais incrível: uma narrativa “multi tarefa”. Tudo descrito ao mesmo tempo e em paralelo na sua frente. Tá aí minha dica de compra barata de literatura que não envelhece e cuja qualidade é indiscutível, pode pegar!

Drácula – Bram Stoker

Drácula: edição comentada (Clássicos Zahar) por [Bram Stoker]

Que livro, que livro, que livro! Mais uma vez meu preconceito afastou de mim por anos uma leitura espetacular! Quando pensava em Drácula me vinha à mente figuras como os vampiros do cinema e toda uma cafonice infinita. Nisto acabei evitando este livro, que minha mãe inclusive havia me dado alguns anos atrás (esta mesma edição da imagem) dizendo ser uma boa leitura (eu achei que ela estava brincando comigo).

Este ano li pelo Kindle e achei fenomenal em todos os sentidos. A forma como a história é narrada, através de fragmentos de diários, notícias de jornal e cartas já torna a narrativa muito interessante. A descrição do dito cujo feita pelo Bram Stoker também é muito interessante: você vê a criatura diante de você, é incrível, incrível, incrível.

E um terror maravilhoso também, no qual o medo se dá não pela presença do monstro, mas pela sua ausência, sem sombra de dúvidas um dos melhores livros que já li na vida.

Entre Porcos e Sangue: Há uma linha tênue entre o fanatismo e a maldade humana – Babi Lacerda

Entre Porcos e Sangue: Há uma linha tênue entre o fanatismo e a maldade humana. por [Babi Lacerda]

Pra não dizerem que só leio literatura estrangeira, tive esta grata surpresa no Kindle (tá de graça, aqui o link). Apesar do título enorme, temos aqui na realidade um conto: e um belo conto de terror nacional!

Como é um conto de terror, temo falar algo a respeito e dar algum spoiler. Mas sim, há porcos, há enredo envolvendo fanáticos e a narrativa é muito, muito boa! Aqui está a página da autora na Amazon com seus livros publicados. Gostei demais!

Foi uma leitura importante pra mim pois além de ser um belo texto também me apresentou a uma realidade literária que não conhecia: a dos autores independentes que publicam na Amazon! Vi muita coisa interessante por lá e, quem sabe (spoiler alert), eu mesmo não publique alguma coisa nesta direção ali? :) (possibilidade real)

Os últimos livros do ano

Nunca leio um livro apenas: não tenho esta habilidade ainda. Mas em dezembro comecei a leitura de dois livros que chamaram muito minha atenção. Seguem então minhas impressões iniciais sobre ambos.

Vozes de Tchernóbil: a história oral do desastre nuclear – Svetlana Aleksiévitch

Vozes de Tchernóbil: A história oral do desastre nuclear por [Svetlana Aleksiévitch, Sônia Branco]

Pense num livro pesado: e sensível, e denso, e bonito. São diversas narrativas orais contadas pela autora sobre o acidente de Tchernóbil. Uma visão muito humana do tema, e também desagradável pela riqueza de detalhes. Não foi por acaso que a autora ganhou o prêmio Nobel de Literatura. É uma leitura realmente maravilhosa.

Recomendo? Até agora sim, e muito!

Laranja Mecânica – Anthony Burgess

Laranja mecânica por [Anthony Burgess]

Quando você estiver lendo este meu texto provavelmente terei terminado este. Conhecia apenas o filme (que adoro!), o livro, posso dizer, é o filme, porém com alguns detalhes adicionais. O livro é uma descrição fiel do filme, mas não fica nítido o detalhe fascinante do livro.

E o detalhe fascinante é a criação de uma nova linguagem, cheia de gírias, falada por Alex e seus druggies. Isto torna a leitura do texto muito difícil pra muitos (quase todo mundo que conheço tentou ler o livro e não conseguiu por causa disto), mas pra mim é sem sombra de dúvidas o detalhe favorito.

Recomendo? Demais!

As leituras de 2021 com um novo projeto: a volta do Mundo Kico

Muitos anos atrás eu tinha um blog chamado “Mundo Kico” no qual escrevia sobre aquilo que lia, alguns textos próprios, desenhos e pinturas que fazia e até mesmo algumas músicas. No meio do ano passado resolvi retomar este hábito. O primeiro passo foi a criação de um canal no YouTube no qual eu iria postar minhas impressões sobre aquilo que lia.

De junho pra cá a coisa não progrediu muito: as circunstâncias da pandemia acabaram me frustrando, mas postei alguns vídeos lá. Meu objetivo em 2021 é mensalmente postar mais vídeos sobre o que estou lendo. Caso tenha interesse, o link para o canal é este. Como pode ver não há muita coisa ainda, havendo aviso vocês.

Também não prometo continuidade, postarei quando puder e quiser, mas já estou planejando gravar algo para a semana que vêm. Publicando, conto para vocês, até lá!

4 comments on “Minhas boas leituras de 2020

  1. Éderson

    Bacana! Sensacionais os vídeos, largue a carreira de designer de logotipos e invista na de youtuber :)
    Segundo: é interessante como esses livros mais clássicos descrevem a humanidade tão perfeitamente que suas previsões se repetem, se repetem e se repetem. Só deixando de ser “homem-massa”, pra usar o termo do Ortega, para entender por que fazemos o que fazemos. Sou pessimista nesse ponto, esse tipo sempre será maioria pela nossa própria natureza.
    Por fim, essas leituras sobre políticas são fundamentais hoje em dia, mas queria lhe perguntar o que você já leu ou sabe sobre ciência econômica. Eu sou “nível básico” ainda, mas notei que a qualidade do debate público está sendo muito afetada pela falta desse tipo de conhecimento. Estamos divididos em dois pólos (a.k.a. “direita” e “esquerda”) que simplesmente jogam o conhecimento acadêmico dessa ciência no lixo. Suas propostas são baseadas em boas intenções, cada um segundo sua visão ideológica, porém sem conhecimento real das consequências e sua real efetividade.

  2. Kico (Henrique Lobo Weissmann) Post author

    Oi Ederson, obrigado! Carreira de designer de logotipos tá finada, de YouTuber, vamos ver!

    Clássicos são clássicos né? Tocam em arquétipos por isso não envelhecem.

    Sobre economia, meu conhecimento é nulo… por enquanto.

  3. Eduardo de Carvalho

    Estava buscando por mais leituras sobre tecnologia e felizmente encontrei o seu blog: estou lendo uns 2 a 3 posts por dia! Só não leio mais, por conta do trabalho e das outras leituras que estou fazendo atualmente.

    Comecei em 2019 no mundo tec e estava sentindo muita falta da carga teórica. Hoje em dia o conselho das pessoas é sempre o mesmo: faça um curso online.

    Seu blog tem me encorajado a beber direto da fonte, o que tem me dado uma base muito melhor sobre as tecnologias que estou usando no dia-a-dia.

    Ah, também gostaria de dizer que comprei esse box do Dostoievski no kindle e achei sensacional. Ele é meu autor preferido (da obra dele eu já li: O Idiota, Notas do Subsolo, Crime e Castigo, Noites Brancas) e com esse box consigo levar toda a obra dele a onde eu quero de forma fácil e prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.