logo_freehand_pequeno

Melhorando os Guias da itexto

Na itexto, além do Groovy e Grails Brasil e do /dev/All há um terceiro projeto ao qual me dedico já faz algum tempo: os nossos guias.

São ebooks gratuitos que escrevemos e disponibilizamos gratuitamente para a comunidade: por enquanto há apenas três: Injeção de Dependências com Spring, Usando Git e Usando Jenv. Há m ais alguns a caminho: conforme progrido nos meus estudos sobre Docker, acabei iniciando a escrita de mais este texto e, em um futuro ainda mais próximo, devo publicar outro sobre o uso do Spring Security com Grails.

Hoje lançamos a versão nova do site (pra variar, odiava a antiga). Está com um visual melhor (similar ao do /dev/All), e trás duas novidades interessantes: a primeira é a criação da mailing list para que possamos informar nossos leitores a respeito das novidades.

A segunda é que agora todos os textos terão seu “código fonte” publicado no GitHub da itexto, assim vocês poderão acompanhar o desenvolvimento deste trabalho também.

E o link? http://www.itexto.com.br/guias

Me digam o que acharam, ok? Críticas são bem vindas!

 

IBMS360-1

“Legado” é um termo maldito

O termo “legado”, quando aplicado a software sempre me incomodou: tanto que algum tempo atrás busquei uma melhor definição para esta palavra dentro do nosso contexto de TI. Hoje volto ao assunto para dizer que não uso mais a palavra “legado” com meus clientes e colegas e explico minhas razões.

O termo que todo mundo busca a definição (inclusive eu)

Fui um dos palestrantes da trilha de legados da QCon Rio 2015 e, para minha sorte (ou azar), fui o último a falar, o que me permitiu assistir a todas as apresentações sobre o assunto. O que achei interessante é que quase todos (inclusive eu) apresentaram seu próprio conceito de legado.

(e neste texto ainda apresento mais definições sobre legado, o que mostra ser um fenômeno global, e não uma particularidade daquele evento)

Claramente há algo errado aqui: se dentro de um contexto bem definido (ou ao menos aparentemente) há tantas definições para uma mesma palavra, surgem duas possibilidades:

a) A palavra não possuí um significado real
b) Devíamos ou categorizar este termo ou mesmo buscar outras palavras

A  má impressão criada pela nossa indústria

Diversas vezes um cliente chega para nós pedindo que executemos manutenções ou evolução em seus sistemas com frases do tipo: “temos este sistema legado, que me disseram ser velho e ultrapassado, mas não tenho dinheiro para reescrever do zero”.

Lendo o código fonte observo que foram usadas tecnologias como Spring BootGrailsPHP, JavaScript, JSF ou qualquer outra que é ativamente desenvolvida hoje. Pior ainda: o sistema tem no máximo 5 anos de idade. Não poderia ser categorizado como “velho”, e levando-se em conta que normalmente está em uso, muito menos “ultrapassado” ou “obsoleto”, pois claramente está satisfazendo objetivos de negócio ali.

Fato é que muitas consultorias e profissionais normalmente ao invés de venderem a evolução do sistema preferem a reescrita por dizerem dar menos trabalho e sair mais barato (o que normalmente  é uma grande mentira e ainda escreverei sobre isto, mas enquanto isto, pode ler este excelente texto do Joel Spolsky).

A situação é ainda pior: já vi apresentações sobre “legados” na qual o palestrante usa o termo “evolução” e apresenta uma completa reescrita como resultado (atualmente uma das formas que esta reescrita vêm disfarçada é como micro-serviços).

Resultado: o termo “legado”, que deveria ter uma conotação positiva (conhecimento e experiência adquirida ao longo do tempo, conquista, satisfação por ter construído algo que é passado pra frente) passa a ser visto por muitos como um defeito.

(não creio que a maior parte dos profissionais e consultorias que vendam a reescrita imediata sejam mal intencionados. Na minha opinião o problema surge da nossa formação. Um dia ainda escreverei sobre isto)

Que termo uso agora

O mais óbvio e tedioso:  “software que você já tem” ou “software pré-existente” ou, ainda “software que não escrevi” ou algo similar pelas seguintes razões:

a) O cliente (que é quem realmente importa) entende o que estou dizendo imediatamente
b) Muitos clientes nunca ouviram o termo “legado”, o que evita a necessidade de explicar uma palavra que creio ser tão mal empregada em nosso idioma
c) Me fornece (e à indústria) um ponto inicial que possibilite uma melhor criação de sub-categorias que auxiliam na definição de estratégias

Sobre categorização

O termo “software que você já tem” é elementar: não consigo pensar em uma categoria superior a este (“software”, talvez :D) , mas consigo pensar em “tipos de software que você tem”. Segue uma pequena lista:

  • Aquele que temos o código fonte
  • Aquele que não temos o código fonte (sim, acontece e muito)
  • Aquele que é parte de sua infraestrutura (SGBD, Sistema Operacional, protocolos de rede)
  • Ou outra categorização qualquer que represente o nível de posse do cliente sobre um software

E esta categorização nos ajuda a pensar melhor o “seu software“. Ao analisar a situação do cliente (a mais importante), a comunicação fica mais simples e direta. É curioso que nas apresentações que vejo sobre legados só escuto sobre a primeira categoria: “aquele que temos o código fonte”. Aonde ele é executado? Como é o ambiente que o rodeia?

(é interessante notar que as pessoas confundem “legado” e refatoração, e esta é minha prinicpal crítica ao livro do Feathers – legado não é só o código)

A partir do momento em que um termo mais simples é usado na conversa, tudo flui, impressionante.

Minha antiga definição de “legado” não era uma definição

Ano passado busquei uma definição de legado e eis a que cheguei:

Sistema legado é aquele cujo controle foi perdido por seus principais stakeholders. – Definição Lobo Weissmanniana

Leia atentamente o que acabei de escrever: isto é uma definição? Hoje creio que não, pois não defini um termo, mas sim o problema fundamental do seu software.

O que é legado? Em português (e pensando no contexto brasileiro) é um termo que causa mais confusão que o necessário, haja visto os pontos que expus. Sendo assim, não irei mais me preocupar com a sua definição ou mesmo seu uso.

(ainda escrevo sobre um possível hype envolvendo este assunto (hype este que não se desenvolverá de forma saudável devido às falhas em nossa formação que comentei em parênteses anteriores))

angular-js_600x400

Aprendendo AngularJS – minhas leituras

Chegou aquele momento em que não dava mais pra fugir dele: finalmente me vi forçado a aprender AngularJS. Neste post vou listar o que usei para meus estudos e também as minhas primeiras impressões sobre o assunto. Levem em consideração que estou apenas começando!

O AngularJS: primeiras impressões

Apesar de já estar na versão 1.5, meus estudos estão focados na versão 1.4.2, dado que estou lidando com um projeto legado. Pouco a pouco vou me atualizar com as novas versões, já sabendo que a 2.0 é, pelo que pude ver, radicalmente diferente.

Mecanismo de templates

Como mecanismo de templates, achei fantástico (o mínimo que eu esperava). De imediato o vejo como uma excelente ferramenta para se escrever relatórios quando os dados são obtidos via REST no formato JSON. Alguns experimentos que fiz durante os estudos iniciais foram muito promissores.

Interações de usuário

Como framework usado para se escrever as interações do usuário, também achei bastante interessante. Me lembrou bastante o modelo de desenvolvimento que temos ao desenvolver aplicações desktop.

Escrever aplicações cuja interface no formato tabela usando o binding de duas vias do AngularJS se mostrou uma tarefa trivial com o AngularJS. E escrever filtros com ele (em tabelas) também é ridiculamente simples (quase aposenta o Datatables).

Roteamento

Ainda não me desceu bem o modelo de roteamento apresentado pelo AngularJS, mas creio que seja por enquanto apenas o resultado do meu contato inicial com o framework. Ainda tenho minha cabeça presa ao modelo de desenvolvimento AJAX tradicional (com muito jQuery), o que tem me dificultado um pouco a compreensão.

Saudades do jQuery

Adoro jQuery, o que me atrapalha um pouco no aprendizado do AngularJS. Em diversos momentos me via pensando em como faria a mesma coisa com minha biblioteca favorita. No entanto, conforme o tempo vai passando, este “vício” vai se reduzindo.

Confesso que me deu um certo alívio ver que o modo como fazemos requisições Ajax com AngularJS é muito parecido com o que conhecia no jQuery. :)

O que li

Angular Basics – http://www.angularjsbook.com/

Escrito por Chris Smith, é um pequeno livro online interativo no qual você pode experimentar o código fonte de uma forma muito interessante. Sem sombra de dúvidas foi o melhor material que encontrei sobre o assunto.

A linguagem adotada é muito simples e muito direta ao ponto. O autor se preocupa bastante em tratar apenas do que é essencial para que você possa começar a dar os primeiros passos, o que é excelente, pois alguns materiais que encontrei achei muito complicados para quem está iniciando.

Ao ler este livro, tinha ao lado um editor de textos e um navegador que usava para fazer alguns experimentos baseados no texto. Me ajudou bastante. Importante lembrar que o livro cobre a versão 1.4.2 do Angular, e não a 1.5.5 ou 2.

Algo bacana neste texto são as referências feitas pelo autor. Dá para o leitor que não tem muita vivência com JavaScript se aprofundar em diversos temas sobre a linguagem.

Resumindo: leitura fantástica!

Tutorial oficial do AngularJS – https://docs.angularjs.org/tutorial

Não gostei quando li na época em que o AngularJS foi lançado e continuei não gostando hoje.

Meu principal problema com este texto é que ele afoga quem está chegando em informações e terminologias que deviam ser apresentadas de uma forma mais suave.

Além disto, o código fonte já vêm pronto de cara em um repositório Git. Confesso que prefiro quando o próprio leitor vai gerando este código, tal como fiz lendo o “Angular Basics”.

Desconfio que este meu atraso no AngularJS se deve à antipatia que sempre senti por este tutorial (não vou negar).

Guia do desenvolvedor – https://docs.angularjs.org/guide

Se você quer conhecer a fundo o conceitual por trás do AngularJS, este é o texto. Não é algo que deve ser lido sequencialmente, mas sim como leitura complementar.

É muito bem escrito, e tem o nível de profundidade que se espera ao buscarmos uma melhor compreensão a respeito dos conceitos envolvidos na construção do framework e, ainda mais importante, das motivações que justificam o AngularJS ter a forma que possuí.

Não creio que seja um bom ponto de partida para se aprender o framework, mas como leitura complementar, foi fundamental para mim.

Curso gratuito da CodeSchool – http://campus.codeschool.com/courses/shaping-up-with-angular-js/intro

Feliz demais pro meu gosto: me deu vergonha alheia e acabei pulando.

Ferramenta legal: AngularJS Batarang

Trata-se de uma extensão do Chrome que nos permite depurar código escrito em AngularJS. Você a instala e, na sequência, será criada uma nova aba nas ferramentas de desenvolvimento.

Por lá você poderá ver o escopo do seu módulo, informações sobre desempenho, interceptadores e tudo mais. É muito bacana para se ter uma visão melhor sobre o que estamos escrevendo com o AngularJS.

Concluindo

Apesar de atrasado, o processo de aprendizado do AngularJS tem sido uma experiência muito enriquecedora para mim. Confesso que não tanto pelo Angular, mas sim pelas referências que vou pegando no caminho que, acidentalmente, tem aumentado muito meu conhecimento sobre JavaScript.

Estou apenas começando no framework, apanhado bastante em alguns pontos, mas, no geral, gostado do que tenho visto. Aproveitando, você tem alguma boa indicação de leitura para me passar? Toda dica é bem vinda!

capa

Novo guia da itexto: usando Jenv!

Se existe uma ferramenta que me ajuda HORRORES no dia a dia é o Jenv: trata-se de um gerenciador de ferramentas baseadas em Java e que ofereçam interfaces de linha de comando, tais como Grails, Groovy, Maven, JDK, Ant, Spring Boot e muitas outras.

No meu caso, como lido com diversos projetos baseados em Grails, com versões que variam da 1.1 a 3.1.4, é uma mão (ou melhor, duas!) na roda. Se a coisa parece chata, imagine que também lido com diferentes versões do JDK (do 1.3 a 1.8!). :)

Este é um guia rápido para que você possa começar a trabalhar com a ferramenta imediatamente. Exponho apenas o essencial, mas também alguns hacks que você pode aplicar na ferramenta e, claro, sua comparação com o SDKMan, que é outra opção bastante interessante.

Trata-se de uma ferramenta que sempre indico para nossos clientes de consultoria e alunos. Acabo de publicar então o terceiro guia da itexto, que você pode baixar neste link.

Espero que goste e que o Jenv lhe seja tão útil quanto é para nós!

bebezao

Meu problema com a infantilização

Tratar adultos como crianças, especialmente desenvolvedores, sempre me irritou. Algum tempo atrás inclusive escrevi sobre isto aqui no blog. O foco da minha opinião é o desperdício de algo fundamental: o processo de amadurecimento.

Vejo de forma muito clara este processo infantilizador se manifestando em vagas de emprego que buscam “padawans”, “jedis”, “super-heróis”, “rockstars” (vergonha alheia infinita). Isto sem mencionar grande parte da cultura “geek” que, devo confessar, não raro vejo carregada de fortíssimo caráter infantilizador. Isto sem mencionar “apresentadores” e “palestrantes” que se vestem como crianças. Nossa, quanta vergonha alheia!

Mas o que é amadurecer?

Para mim envolve a expansão intelectual. Vou partir de um exemplo banal. Ao encontrar alguém usando um chapéu de Mario e lhe pergunto por que o está usando. Normalmente a resposta é um “por que é legal”.

Por que o chapéu?  Por que é legal!

Por que o chapéu?
Por que é legal!

Esta é uma resposta válida, mas se forçar a barra e perguntar “por que é legal?”, não raro o indivíduo infantilizado não vai saber responder. Resumindo: a futilidade (um aspecto infantil resultante de uma percepção limitada) está se manifestando. Lhe interessa o ato de fazer graça. Então, como seria uma resposta adulta?

(já se perguntou por que, na sociedade ocidental na qual o riso é visto com desprezo, de repente ser uma pessoa “divertida e engraçada” passa a ser visto como algo super positivo? Dica de leitura)

“O que envolve o conceito do Mario é interessante e me agrada”. Me lembro quando era pré-adolescente e vi o Mario Bros pela primeira vez. Algo completamente diferente de todos os jogos que havia jogado até aquele momento: o cenário era muito rico e toda a mecânica era algo revolucionário para nós.

free_download_super_mario_bro_game

O que me impressionava era o puramente sensório: a experiência de controlar o Mario e todas aqueles elementos secretos no jogo eram algo fascinante para alguém com 12, 13 anos (muitas cores e surpresas, além de uma música top). A coisa ficou realmente interessante quando notei uma similaridade naquele jogo com algo que já conhecia.

smb3_mush2

Aquela história do Mario comer um cogumelo e de repente crescer. Já havia visto isto em algum lugar: em Alice no País das Maravilhas, mas ao contrário. Ela encolhia.

alice-on-mushroom-3

Caramba! E de repente, observando as ilustrações do livro de Lewis Carroll, conseguia ver no cenário que se movia do Mario elementos daquela história (Mario era um ser diminuto entre cogumelos?). Isto ampliou meus horizontes  e me fez começar a questionar outras coisas: quem criou o Mario? Foi a Nintendo. Mas quem dentro da Nintendo teve esta ideia? Foi o Myiamoto. Quem é ele? O que inspirou este sujeito?

Mario -> Alice no País das Maravilhas -> Nintendo -> Miyamoto -> Lewis Carroll -> Problemas lógicos -> Matemática

A rede cultural se expande: vejo mais pontos e ligações entre eles. Questiono estes relacionamentos e busco confirmações a seu respeito. Resumindo: saio de algo simples e  fútil:  termino em um universo totalmente novo que não para de se expandir conforme interajo com ele.

A pergunta “por que você usa este chapéu de Mario?” adquiriu profundidade. E neste processo de amadurecimento noto que até minha capacidade em aceitar críticas foi ampliada: ao ver um número maior de possibilidades no mundo, são grandes as chances de eu realmente estar errado e existirem alternativas muito superiores. Resumindo: eu venço outra barreira infantil que é a do solipsismo. Estou em um mundo rico com o qual interajo.

Amadurecer é bom e a vida adulta é maravilhosa. O adulto tende a ser sábio, ao contrário da criança. Então, o que ganho ao infantilizar? Para responder a esta pergunta, é importante responder outra: como é ser uma criança?

(algo fascinante: vejo esta “expansão intelectual” em praticamente tudo, basta tentar)

Como é ser criança?

Odiava ser criança. Brincar era legal, não havia trabalho (meus pais me mantinham), mas nem por isto meus problemas eram menores. Há adultos que te controlam e definem o que deve ser feito. Além disto, o mundo é assustador pois você não o conhece direito por ter uma visão limitada da realidade.

E justamente por ter uma visão limitada a criança se vê a mercê do adulto a quem deve obedecer de forma compulsória. O medo do desconhecido faz com que a criança se torne um ser quase solipsista, que vive em um mundo apenas seu, mas controlado por forças desconhecidas.

Seus problemas também não são tão menores como pensamos: basta se lembrar dos medos  que sentia ao se imaginar levando bomba na escola ou na possibilidade de perder seus pais, quem cuidaria de você? E se seus pais não fossem tão legais assim? E se você fosse adotado? Existem monstros no escuro?  Os medos da infância parecem tolos hoje que somos adultos, mas na época eram aterrorizadores.

Verdade seja dita: romantizamos a infância. Além da vulnerabilidade e dependência em relação aos adultos, sabe o que mais a “boa criança” costuma ser? Dócil. Afinal de contas, uma “criança boazinha”, tal como somos criados, é aquela que recebe “presentes do Papai Noel”, é aquele ser que não questionaque obedece.

Pra que infantilizar então?

Essencialmente por que você quer ter um controle maior sobre o outro, que não desejamos vir a se tornar um questionador. E que te admire, pois você estará, em relação ao infantilizado, como o adulto em relação à criança.

É curioso como em diversos casos de infantilização que observo os manda-chuva são pessoas extremamente adultas, formais, exemplares. Já notou isto?

E por que o fútil é tão valorizado? O que faz da fábrica de doces algo sedutor? Ela faz com que o adulto se esqueça dos problemas relativos ao seu amadurecimento. Você afunda o adulto em tolices para que ele se torne dócil.

Por que uma biblioteca de quadrinhos e não clássicos ou grandes livros? Por que os segundos são “chatos”? O que os torna chatos ou, ainda melhor, “quem” os vende como tal?

Por que me incomoda então?

Por que ao diminuir o indivíduo, termina por lotar de tolos o mundo. Confesso sentir calafrios ao pensar na formação de futuras gerações. Será este medo o resultado do meu envelhecer? Talvez.

Me incomoda muito pensar que as pessoas, em sua carência, acabam por se colocarem em uma posição inferior sem a menor necessidade.

Devo ser uma pessoa séria sempre então? Não: só tem de evitar se tornar um “retardado”.
(já notou que normalmente quem se da bem possuí uma forte tonalidade séria?)

PS:

controvérsias sobre a relação entre o Mario e Alice no País das Maravilhas, no entanto o simples fato de podermos fazer a conexão por conta própria já me parece algo incrível.

PS 2:

Sou contra o “trabalho infantil” :D

product

Eu e seu currículo: como o percebo

Uma das maiores honras da minha vida ocorreu ano passado quando uma imensa quantidade de pessoas se candidatou nos dois processos seletivos da itexto.

Nossa avaliação é composta por três etapas: a primeira é a seleção de currículos, seguida de uma entrevista técnica (que contém uma prova) e uma conversa final na presença de um profissional de RH. Infelizmente nosso tempo para avaliação é limitado, o que nos força a dispensar diversos candidatos na avaliação de currículos, e isto me incomoda bastante pois tenho certeza que perdemos oportunidades de contratação ali, muitas vezes por bobeira (nossa e do currículo).

Dado que nosso terceiro processo seletivo ocorrerá em breve, resolvi escrever este post descrevendo como os interpreto e minhas principais percepções. Vejo muitos posts com dicas do pessoal de RH sobre como escrever um currículo, mas poucos sobre como este documento de fato é manuseado por quem o recebe. Creio que compartilhar minhas percepções será útil para muitas pessoas. Talvez eu mostre algum erro que cometo neste post: sinta-se livre para me enviar suas críticas, pois são todas muito bem vindas.

Objetividade

No nosso segundo processo seletivo recebemos quase oitenta currículos. Além de avaliá-los, também temos de atender nossos clientes, e isto limita ainda mais o tempo. Alguns dos currículos que recebemos são verdadeiros artigos. Acho interessante a pessoa se esforçar em sua auto-descrição, no entanto quando o currículo é longo demais a impressão que tenho é a de que estou lidando com alguém prolixo, o que não é bom.

Se nossa vaga é para desenvolvimento de software, confesso que não me interessa tanto quais são seus hobbies e séries de TV favoritas. Este tipo de informação talvez mostre suas soft skills (falarei mais sobre isto adiante), mas dado que não lidamos com o ramo de entretenimento (ainda), estes dados não agregam.

Outro ponto importante é a atenção ao cargo oferecido. Se é para desenvolvimento e você nos envia seu currículo no qual só há experiências em outras áreas, é altíssima a chance de não te chamarmos para uma conversa. A não ser, é claro, que no texto de apresentação (sempre é útil) você nos diga que está interessado em mudar de área e demonstra real interesse pelo que fazemos e as atividades que esperamos de você aqui.

Não só a área, mas o nível de experiência pedido também deve ser levado em consideração. A vivência descrita no currículo deve estar de acordo com a que expomos na descrição da vaga.

Soft skills

A grosso modo, são suas capacidades não técnicas ou indiretamente relacionadas ao que esperamos na vaga como, por exemplo, facilidade de comunicação e trabalho em equipe. Na minha opinião a mais importante é a capacidade de comunicação, e no caso dos currículos, textos legíveisem bom português demonstram boa parte desta habilidade.

Vou ser curto e grosso: nunca vi alguém escrever em seu currículo algo negativo sobre si mesmo. Ainda não encontrei descrições como “sou preguiçoso”, “odeio gente”,  “curto ser um babaca”, “persigo meus colegas” ou coisa similar.

(a única exceção foi em uma entrevista anos atrás na qual a pessoa disse ser preguiçosa)

Descobrimos estas características do candidato em dois momentos: nas conversas que temos após a análise do currículo ou, no pior dos casos, durante o período de experiência caso seja contratado, ou seja, no texto do currículo estas descrições não agregam.

Experiências

Sempre agregam bastante no currículo quando bem descritas, especialmente quando o candidato nos conta o que costumava fazer nas empresas pelas quais passou e as realizações de que se orgulha.

Alguns currículos contém contatos para referência. Isto é muito útil, pois nos ajuda a validar quem você realmente é e também nos mostra sua segurança a respeito de si mesmo. Não é um ponto obrigatório, mas com certeza agrega bastante (e positivamente).

Qualquer experiência fora do trabalho também é muito bem vista. Exemplo: ter um blog, participar de projetos open source, palestrar, enfim, demonstrar seu interesse na área através de atividades que sejam relacionadas à área de atuação da vaga.

Claro, se for um cargo para alguém em início de carreira, não possuir experiência profissional alguma não desqualificaria o candidato, o que me faz lembrar do…

Meu primeiro mico em uma entrevista de emprego

O primeiro trabalho pago que tive na vida foi como “tomador de conta” do gabinete de um candidato a deputado federal aqui em Minas Gerais. Minhas tarefas envolviam cuidar do gabinete (varrer, manter o lugar limpo, garantir que o banheiro estava usável), receber as pessoas e passar recados. Isto e nada mais. Este trabalho durou uns dois meses.

Veio minha primeira entrevista de emprego e não sabia o que colocar no currículo, pois só tinha esta experiência. Então, escrevi: “Responsável pela administração da qualidade do ambiente do gabinete do deputado federal (ele foi eleito) Fulano de tal“. Que título lindo, pensei, e fui lá fazer minha primeira entrevista de emprego em uma livraria.

O dono da livraria (uma figura simplesmente GENIAL) olhou pra minha cara, começou a gargalhar e soltou o: “Nossa, como você é uma pessoa importante com seus 19 anos hein?”. Fui contratado, mas até hoje sou zoado por isto. Se for iniciante, evite a zoeira, muitas vezes ela pega e dura anos. :)

Exponha seus conhecimentos reais

Uma vez aprovado seu currículo, iremos validar o seu domínio nos conhecimentos citados em nossa avaliação técnica. É fundamental expor aquilo que você já conhece para nos ajudar no processo seletivo, mas igualmente importante nos contar o quanto você domina os assuntos listados.

Este é um ponto bastante delicado: como você pode expor seu domínio sobre um assunto de forma precisa? O ideal é usando alguma referência que não seja si mesmo. Vale aqui as experiências profissionais passsadas, desempenho acadêmico, publicações, blog pessoal e até mesmo pontuação em concursos e sites de desafios de programação. Se você afirma possuir, por exemplo, “sólido conhecimento em X”, de que modo esta base foi construída? “Eu acho que tenho” não é resposta.

Errar algumas questões em uma prova técnica não invalida seu conhecimento. Na realidade, sempre é dado um desconto durante a avaliação da prova, levando-se em consideração a ansiedade natural do candidato. Curiosamente, acertar também não valida o conhecimento tanto quanto se imagina, pois não é raro um acerto por sorte. Na realidade apenas a prática valida.

E justamente por que apenas a prática valida seus conhecimentos é que lhe digo: tentar burlar uma prova ou levar o avaliador na conversa e ser contratado talvez seja a pior experiência pela qual você possa passar.

Formação

Se o cargo exige alguma formação, seu currículo deve estar de acordo com a mesma. É comum incluirmos em nossos currículos certificações e treinamentos. No caso de treinamentos, é muito interessante que também seja exposto seu nível de aproveitamento no que foi ensinado.

Não há problema algum dizer que fez treinamento na tecnologia X mas nunca aplicou aqueles conhecimentos na prática ou mesmo não os assimilou como gostaria. Na realidade, isto é louvável. Quem lê em seu currículo a presença destes cursos supõe que você já domina os assuntos tratados se não fizer nenhuma observação a respeito.

Creio que não seja necessário mencionar aqui que mentir nestes pontos é uma das maiores imbecilidades que alguém pode cometer, certo?

Fontes adicionais

Vejo o currículo como um primeiro contato com o profissional, razão pela qual deve ser o mais objetivo e curto quanto possível. No entanto, fontes adicionais incluídas no texto agregam bastante: LinkedIn, blogs, participação em comunidades, etc.

O LinkedIn possuí, por exemplo, o preenchimento de perfil super completo, o que incluí os projetos em que o indivíduo participou, publicações, indicações e muito mais. Com certeza é a melhor fonte adicional que qualquer um pode incluir em seu currículo (em muitos casos, o vejo como a versão “full” do documento).

No caso de redes sociais, raramente Facebook ou Google+ nos agrega algo (não há nem razão para incluir isto no currículo, a não ser que você mantenha uma comunidade lá ou seja ativo nesta). Em raríssimos casos o Twitter nos agrega.

Depois da contratação

Seu currículo não é esquecido, pois pode será usado em sua avaliação durante o período de experiência. Por isto é tão importante ser o mais objetivo e verdadeiro na escrita deste documento. O currículo é uma proposta de trabalho, do que você está oferecendo: suas habilidades e quem você diz ser.

E aqueles que não foram contratados, mas foram avaliados? Tem seus currículos guardados para o próximo processo seletivo. E são chamados para conversar conforme as oportunidades vão surgindo.

E aqueles que enviaram seus currículos após o processo seletivo? Serão avaliados no próximo.

Concluindo

É importante salientar que, ao menos no meu caso, o currículo não é avaliado só por mim: mais pessoas o lêem, até para que possamos bater nossas percepções e chegar a algum acordo antes de chamar o candidato para uma conversa.

Como disse no início deste post, estas são as percepções que tenho ao avaliar um currículo. Creio que mais empregadores sigam caminhos similares aos que descrevi aqui e com certeza há falhas nesta leitura, razão pela qual gostaria muito de saber a opinião de vocês a respeito.